O crescimento dos impostos anunciado pelo governo prejudicará ainda mais as empresas, especialmente as que se encontram com as finanças decaídas com a recessão.

Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a proposta deste aumento trata-se de um retrocesso da economia brasileira, que irá afetar não só as companhias, mas a sociedade como um todo.

“A elevação dos tributos drena recursos do setor privado para o setor público. Provoca o aumento dos custos das empresas e reduz o poder de compra das famílias, o que prejudica o crescimento da economia”, explica o presidente da CNI, Robson de Andrade.

O aumento das tributações para as empresas não representa apenas o aumento de seus custos, mas também uma dificuldade na sua produção.

O presidente da Confederação ainda destaca que a carga tributária do Brasil se aproxima ao equivalente de 33% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a mais alta entre as nações em evolução. Além disso, Andrade também destaca que o atual fim das desonerações financeiras cresceu, na prática, a carga dos tributos das indústrias que são encarregados por 30% da arrecadação tributária no país.

De acordo com a CNI, o equilíbrio das contas públicas deve ser perseguição pela diminuição dos seus gastos, e não por meio da elevação dos impostos. A Confederação também sugere que esta missão envolva a todos, desde o governo à sociedade.

A solução do equilíbrio das contas

Para Robson de Andrade, o país necessita acelerar as reformas, principalmente a da Previdência Social, para que haja um aprimoramento do ambiente de negócios e seja feito o ajuste fiscal de longo prazo, essenciais para a reconstituição da confiança dos empreendedores e dos consumidores, e a restauração da economia do país.

Qual a importância da reforma da Previdência?

A principal meta da CNI para a reforma da Previdência Social está na resolução de uma idade mínima para que os trabalhadores possam se aposentar por tempo de contribuição.

Atualmente, a faixa etária de aposentadoria do brasileiro é de 58 anos, no entanto, a cada década, a expectativa de vida do país vem aumentando. Sendo assim, este crescimento na expectativa de vida significa uma melhora na qualidade de vida, o que automaticamente representa condições do trabalhador continuar prosseguindo.

Afinal, nos dias de hoje uma pessoa de 58 anos está plenamente capaz de exercer suas atividades físicas e mentais.

Além do mais, a CNI defende a igualdade dos trabalhadores diante da lei, desde o tempo de contribuição e da idade mínima de todos os trabalhadores (como professores, trabalhadores rurais e contribuintes comuns). Esta igualdade também simboliza o fim da diferença entre a idade com que cada sexo se aposenta.

A reforma da Previdência discute sete questões. São elas: Financiamento da Previdência, diferença de regras entre os sexos, faixa etária média das aposentadorias (igualitária), previdência rural, pensão por morte, convergência dos sistemas previdenciários e regimes próprios do órgão.

A reforma da Previdência se faz necessária, não só pelo equilíbrio das contas públicas, mas também para assegurar o direito deste benefício para as gerações futuras.

Equilíbrio das contas públicas deve vir do corte de gastos e das reformas, diz presidente da CNI